terça-feira, 30 de março de 2010

LULINHA É HOMOFÓBICO: CHAMA SÃO PAULO DE 'MONTE DE GAY'


Lulinha se desculpa por piada ofensiva ao Tricolor
Em seu twitter, filho do presidente Lula disse: "Amanhã tem Monterrey contra um monte de gay... "


Luís Claudio Lula da Silva, mais conhecido como Lulinha, segue o exemplo do pai e faz fama com suas frases de efeito, por vezes equivocadas. O filho do presidente e auxiliar de preparação física do Corinthians comemeteu via twitter a gafe de postar a piada pejorativa "Amanhã tem Monterrey contra um monte de gay... que pecado rs rs(sic)", numa alusão à partida entre o São Paulo e a equipe mexicana pela Copa Libertadores nesta quarta-feira.

A ironia levou a torcida tricolor á loucura. Enquanto isso, o corintiano alegou que apenas havia recebido a piada pela internet e repassado aos seus seguidores, se deculpando aos são-paulinos pela "brincadeira". De qualquer forma, a cúpula corintiana promete ainda nesta terça-feira um "mea culpa" no site oficial do clube

MP pede que Sarney devolva parte dos vencimentos


Presidente do Senado somava aposentadorias ao salário de parlamentar, superando teto constitucional

O Ministério Público Federal no Distrito Federal já entrou na Justiça pedindo que o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), devolva parte de seus vencimentos, que teriam superado o teto constitucional durante alguns meses. De acordo com denúncias feitas no início do segundo semestre do ano passado, o senador receberia aposentadorias como governador do Maranhão e como servidor do Tribunal de Justiça do mesmo Estado, que eram adicionadas ao seu salário.

O teto, naquela época, era de R$ 24 mil, mas Sarney tinha vencimentos em torno de R$ 52 mil. Na ação em que pede a devolução do dinheiro, o procurador da República Francisco Guilherme Bastos alega que “houve o reconhecimento acerca do pagamento de valores a título de pensão especial, que, quando acumulados com a remuneração do cargo de Senador da República, extrapolam flagrantemente o teto remuneratório previsto na Constituição Federal

Risco de jovem negro ser morto é 130% maior, diz ONG



O risco de um jovem negro ser vítima de homicídio no País é 130% maior que o de um jovem branco, segundo o Mapa da Violência - Anatomia dos Homicídios no Brasil, estudo que compreende o período de 1997 a 2007 e que está sendo divulgado hoje em São Paulo pelo Instituto Sangari, com base nos dados do Subsistema de Informações de Mortalidade do Ministério da Saúde.

A desigualdade entre as duas populações, que já era expressiva, aumentou de forma assustadora em cinco anos. Em 2002, morria 1,7 negro entre 15 a 24 anos para cada jovem branco da mesma faixa etária. Em 2007, essa proporção saltou para 2,6 para 1.


O abismo entre os índices de homicídio é resultado de duas tendências opostas. Nos últimos cinco anos, o número de mortes por assassinato entre a população jovem branca apresentou uma redução significativa: 31,6%. Entre negros, o movimento na direção contrária, um aumento de 5,3% das mortes no período. "Brancos foram os principais beneficiados pelas ações realizadas de combate à violência. Temos uma grave anomalia que precisa ser reparada", diz Julio Jacobo, autor do estudo.


O trabalho revela que em alguns Estados as diferenças de risco entre as populações são ainda mais acentuadas. Na Paraíba, por exemplo, o número de vítimas de homicídio entre negros é 12 vezes maior do que o de brancos. Em 2007, a cada cem mil brancos, eram registrados 2,5 assassinatos. Entre a população negra, no mesmo ano, os índices foram de 31,9 homicídios para cada cem mil.


"As diferenças sempre foram históricas no Estado. Mas as mudanças nesses últimos cinco anos foram muito violentas", avalia Jacobo. Paraíba seguiu a tendência nacional: foi registrada a redução do número de vítimas entre brancos e um aumento do número de assassinatos entre negros.


Pernambuco vem em segundo lugar: ali morrem 826,4% mais negros do que brancos. Rio de Janeiro ocupa a 13ª posição, com porcentual de mortes entre negros 138,7% maior do que entre brancos. São Paulo vem em 21º lugar, onde morrem 47% mais negros do que brancos. O Paraná é o único Estado do País onde a população branca apresenta maior risco de ser vítima de homicídio - proporcionalmente morrem 36,8% mais brancos do que negros.


População masculina


A esmagadora maioria dos assassinatos no País ocorre entre a população masculina. Em 2007, 92,1% dos homicídios foram cometidos contra homens. Na população de jovens, essa proporção foi ainda maior: 93,9%. O Espírito Santo foi o Estado que apresentou maior taxa de homicídios entre mulheres: 10,3 por cem mil, seguida de Roraima, com 9,6. O Maranhão foi o Estado com o menor indicador. Foram registradas 1,9 morte a cada cem mil mulheres.


O estudo conclui ainda que não é a pobreza absoluta, mas as grandes diferenças de renda que forçam para cima os índices de homicídio no Brasil. O trabalho fez uma comparação entre índices de violência de vários países com indicadores de desenvolvimento humano e de concentração de renda. "Claro que as dificuldades econômicas contam. Mas o principal são os contrastes, a pobreza convivendo com a riqueza", afirma Jacobo.

segunda-feira, 29 de março de 2010

SAIU DO ARMÁRIO:Ricky Martin assume a sua homossexualidade em blog pessoal



PARABÉNS RICKY MARTIN
Ricky Martin assumiu a sua homossexualidade nesta segunda-feira, 29. O cantor portorriquenho usou o seu blog pessoal para "sair do armário" e, em um texto em tom confessional, disse que se sentia livre para falar sobre o assunto.

"Nos últimos meses, estou escrevendo as minhas memórias. Um projeto que, eu sabia, seria verdadeiramente importante para mim porque, desde que escrevi a primeira frase, me dei conta de que seria a ferramenta que me ajudaria a me libertar de coisas que vinha carregando há muito tempo. Coisas que pesavam muito (...). Me dei conta de minhas verdades. E isso é para ser comemorado".

O cantor, que é pai dos meninos Matteo e Valentino, de 1 ano e meio, frutos de uma barriga de aluguel, continua: "Hoje, a serenidade me leva a um lugar muito especial, de reflexão, compreensão e muita iluminação. Me sinto livre! E quero compartilhar (...). Está claro que isso não poderia ser feito há cinco nem há 10 anos. Isso só poderia ser feito hoje, esse é o meu tempo, o meu momento".

"Esses anos de silêncio e reflexão me fortaleceram e me relembraram que o amor vive dentro de mim, que a aceitação eu encontro em meu interior, que a verdade só traz calma. (...) Escrever essas linhas é me aproximar da paz, parte vital da minha evolução. Hoje ACEITO A MINHA HOMOSSEXUALIDADE como um presente que a vida me dá. Me sinto abençoado por ser quem sou!", finaliza ele, em tom emocionado.

PT NÃO COLIGARÁ COM A GOVERNADORA

PT REJEITA A ALIANÇA COM ROSEANA SARNEY

No congresso encerrado sábado, 87 delegados votaram pelo apoio à pré-candidatura ao governo do deputado federal Flávio Dino (PC do B) contra 85 que optaram pela aliança com a governadora.

DEU NA FOLHA:Nova regra eleitoral amplia exposição de Lula

Nova regra eleitoral amplia exposição de Lula
Candidatos à Presidência ou militantes poderão aparecer nos programas estaduais de outros partidos da aliança nacional

Como alianças da oposição tendem a ser mais restritas, Dilma teria vantagem; por afrontar outro artigo, regra deve ser analisada pelo TSE

CATIA SEABRA
DA REPORTAGEM LOCAL

Instituído no fim de 2009, um único parágrafo promete revolucionar a propaganda eleitoral deste ano e se transformar no novo cabo de guerra entre PT e PSDB na corrida presidencial.
A nova regra permite, por exemplo, a aparição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e de sua candidata, Dilma Rousseff, nos programas estaduais de todos os partidos que integram sua aliança nacional, ainda que o PT não participe da coligação no Estado.
Até hoje, a presença de um político no horário eleitoral estava restrita ao tempo destinado a seu partido ou coligação.
Aprovada pelo Congresso, dentro da minirreforma eleitoral, a norma amplia o potencial de exposição dos candidatos à Presidência para além do tempo reservado para suas campanhas em rádio e TV. A regra se aplica a todos os pré-candidatos. Mas, como o arco de alianças da oposição tende a ser restrito, Lula e Dilma teriam maior margem de manobra.
Os tempos de TV de cada pré-candidato ainda não estão fechados, pois dependem da oficialização das coligações.
Com índice recorde de popularidade -de 76%, segundo o Datafolha-, Lula será importante cabo eleitoral. E a possibilidade de contar com sua presença nos programas estaduais poderá funcionar como estímulo para a costura de alianças.
"É permitido ao partido político utilizar na propaganda eleitoral de seus candidatos em âmbito regional, inclusive no horário eleitoral gratuito, a imagem e a voz de candidato ou militante de partido político que integre a sua coligação em âmbito nacional", diz o recém-criado parágrafo 6 do artigo 45 da Lei Eleitoral.
Advogado das campanhas do PT, Márcio Luiz Silva usa um caso para traduzir a nova regra: "Antes, Lula só poderia aparecer no horário do PT. Agora, Aldo Rebelo (PC do B) vai poder usar a imagem de Lula".
Outro exemplo: no Rio, Lula e Dilma poderão participar da campanha de Sérgio Cabral Filho e da de Anthony Garotinho, desde que seus partidos, PMDB e PR, respectivamente, estejam nacionalmente ligados ao PT.
Tratado sem estardalhaço pelos principais partidos, o parágrafo contraria outro artigo da mesma lei, segundo o qual qualquer cidadão pode participar da propaganda de um partido se não for filiado a outro.
Para o advogado do PSDB, Ricardo Penteado, a nova regra contraria a Constituição, segundo a qual o partido tem direito a um tempo proporcional à representação no Congresso -ou seja, à quantidade de congressistas que elegeu.
O conceito seria ferido se o candidato de uma sigla pudesse ocupar o horário de outro. Além disso, diz ele, a regra afronta o princípio de independência de alianças nos Estados.
A controvérsia será submetida ao Tribunal Superior Eleitoral. Procurado pela Folha, o TSE reconheceu que a regra dá margem à presença de um candidato à Presidência no programa de outro partido nos Estados. Mas terá que ser analisado em plenário, já que, em tese, afronta outro artigo em vigor.

POLÊMICA NA TELEVISÃO:Após declaração de Dourado no BBB, Justiça manda Globo explicar contágio do HIV


HETEROSSEXUAIS NÃO PEGAM AIDS (?)

A Justiça concedeu liminar para obrigar a Rede Globo de televisão a esclarecer durante o programa Big Brother Brasil 10 as formas de transmissão do vírus HIV. Em caso de descumprimento da decisão, a emissora estará sujeita a multa de R$ 1 milhão.


MPF cobra explicações da Globo por declaração de BBB sobre Aids

A decisão atende a ação movida pelo MPF (Ministério Público Federal) após a emissora exibir declarações de Marcelo Dourado, um dos participantes do reality show, dizendo que heterossexuais não pegam Aids.



O juiz Paulo Cezar Neves Junior, da 3ª Vara Civil Federal de São Paulo, destacou que o esclarecimento deve ser dentro do contexto do falado pelo participante Marcelo Dourado.

Leia a íntegra da decisão aqui.


De acordo com informações do MPF, a emissora terá de dedicar ao esclarecimento o mesmo tempo usado para exibir as informações equivocadas ditas por Dourado no dia 9 de fevereiro.

A reportagem procurou a Rede Globo, que, por meio de sua assessoria, informou que ainda não há um posicionamento oficial sobre o caso.

Em conversa com outros moradores da casa do BBB 10, Dourado disse que um homem portador do vírus da Aids “em algum momento teve relação com outro homem”, porque, segundo ele, “hetero não pega Aids”. Ele disse ainda que obteve a informação com médicos, e concluiu: “Um homem transmite para outro homem, mas uma mulher não passa para o homem”.

Após o trecho ir ao ar, com sete dias de atraso, o apresentador Pedro Bial disse apenas que “as opiniões e batatadas emitidas pelos participantes deste programa são de responsabilidade exclusiva dos participantes deste programa. Para ter acesso a informações corretas sobre como é transmitido o vírus HIV, acesse o site do Ministério da Saúde”.

No programa deste domingo (28/3), o apresentador voltou a dizer que os participantes do programa “às vezes fazem afirmações impensadas”, e que essas afirmações "não representam a posição da Globo”. Em uma espécie de editorial, Bial disse ainda que a programação da emissora tem como valor o "respeito à diversidade e a repulsa ao preconceito”, mas não fez referência direta ao caso de Dourado.

A ação

Para o procurador autor da ação, Jefferson Aparecido Dias, a Globo deixou de fornecer informações corretas sobre as formas de transmissão do vírus HIV e prestou um desserviço para a prevenção da Aids no Brasil.

“Veicular uma afirmação completamente equivocada acerca das formas de contrair ou transmitir o vírus HIV, em um dos programas de maior audiência de sua grade televisiva, a TV Globo deixou de atender aos princípios da legalidade e moralidade”, diz o procurador.

O MPF já havia aberto um inquérito para investigar o caso, e recebeu como resposta da Globo que o BBB não tem roteiro e que as manifestações de seus participantes são espontâneas. Ainda segundo a emissora, qualquer posicionamento preconceituoso não reflete o posicionamento da TV Globo.

No entanto, para o procurador, a lesão social causada pela declaração de Dourado no programa é evidente, diante o poder de persuasão e de formação de opinião da TV no Brasil. “Num país em que a Aids cresce entre mulheres casadas e idosos, a declaração de Dourado, exibida pela Globo, é ainda mais perigosa e é preciso a intervenção do MPF”, afirmou Dias.

Segundo a ação, a Constituição Federal garante a liberdade de expressão, mas os autores e divulgadores de opinião estão sujeitos a serem chamados a responsabilidade quando suas opiniões ferirem direitos e reputação de outras pessoas e a saúde pública.

Para Dias, a Globo não esclareceu para os telespectadores que as declarações de Dourado eram absurdas.

O Regulamento dos Serviços de Radiodifusão obriga as concessionárias a subordinar os programas de informação, divertimento, propaganda e publicidade às finalidades educativas e culturais inerentes à radiodifusão.

LUTO NO JORNALISMO: MORRE DE CÃNCER ARMANDO NOGUEIRA


O jornalista Armando Nogueira, ex-diretor da Central Globo de Jornalismo e comentarista esportivo, morreu na manhã desta segunda-feira, aos 83 anos, no Rio de Janeiro.
Nascido no dia 14 de janeiro de 1927, em Xapuri, no Acre, Armando Nogueira lutava há dois anos contra um câncer no cérebro.

Formado em Direito, começou a trabalhar como jornalista nos anos 50, no "Diário Carioca", que não existe mais. Em sua carreira, passou pelas revistas "Manchete" e "O Cruzeiro", e assinou uma coluna por 12 anos no "Jornal do Brasil".

Na televisão, foi diretor da Divisão de Esportes e depois diretor de jornalismo da "Globo", e em 1992 fez parte da equipe da "Bandeirantes" nos Jogos Olímpicos de Barcelona.Antes de se afastar do trabalho por causa da doença, fazia parte da equipe do canal pago "SporTV" e escrevia uma coluna no diário "Lance!".

A pedido da família,o velório de Armando Nogueira acontece no estádio Maracanã. O enterro está programado para a manhã de terça-feira, no cemitério São João Batista, também no Rio de Janeiro. EFE

domingo, 28 de março de 2010

PT vai apoiar Flávio Dino contra Roseana Sarney



Com a diferença de dois votos, o PT do Maranhão decidiu na noite deste sábado (27) apoiar o deputado Flávio Dino (PCdoB-MA) para concorrer ao governo do estado contra a atual governadora Roseana Sarney (PMDB). A decisão saiu no último dia do congresso estadual do partido. Dos 175 delegados, 87 votaram em Dino e 85 defendiam o apoio à peemedebista nas eleições de outubro. A disputa apertada já era esperada por defensores de ambas as candidaturas.

"Vencemos a disputa no PT com uma diferença de 2 votos, em 175. Agradeço a confianca. Vamos construir a unidade do PT", afirmou Flávio Dino no seu perfil no Twitter. A declaração de Dino tem como alvo a parte do PT maranhense que articulava a reprodução no estado da mesma chapa que deve concorrer à presidência, com os petistas junto com os peemedebistas. No entanto, membros do partido como o deputado Domingos Dutra (PT-MA), articularam para que isso não acontecesse.

“Não adiantou a Roseana ligar para as pessoas, fazer chantagem, oferecer dinheiro, pois o povo do Maranhão não aprovava esse casamento de ‘jumento com avestruz’, portanto não tinha como dar certo. E assim como em 2006, nós iremos novamente derrotá-los”, disse o deputado. Ele fez referência à vitória nas urnas de Jackson Lago (PDT) na última eleição. O pedetista, no entanto, foi cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em maio de 2009, por abuso de poder econômico e político. A peemedebista, por ter ido ao segundo turno contra Lago, acabou herdando o mandato.

De acordo com o jornal Pequeno, o representante da direção nacional do PT no congresso, o secretário de Organização Paulo Frateschi, descartou qualquer possibilidade de intervenção do diretório nacional. “As regras foram seguidas, tem uma proposta vencedora e é com essa que o partido dos trabalhadores vai trabalhar”, afirmou.

DEU NA FOLHA:Morre menina transferida para hospital privado em SL

Morre menina transferida para hospital privado em SL
Garota não havida obtido vaga na rede pública

ESTELITA HASS CARAZZAI
DA AGÊNCIA FOLHA, EM IMPERATRIZ (MA)

Durou pouco a esperança da família de Mayara Coelho Francelino, 8. Dezoito horas depois de ter sido transferida para uma UTI em Imperatriz (636 km de São Luís), a garota morreu ontem, às 5h.
Acometida de meningite e vítima de parada cardíaca, Mayara só conseguiu uma vaga na UTI de um hospital privado, que adaptou um leito adulto para recebê-la, após ordem direta do governo estadual.
A primeira liminar da Justiça que garantia sua transferência imediata para uma UTI não foi cumprida devido à falta de leitos de terapia intensiva na cidade, mesmo na rede particular.
Assim como Mayara, dezenas de pessoas também conseguiram liminar da Justiça ordenando internação em UTI. Só que a maioria não chega à terapia intensiva. Só neste ano, 16 crianças morreram à espera de uma vaga -no ano passado, foram ao menos 43 mortes registradas nessas condições.
Mayara ficou internada 18 dias -seis dos quais em coma- no Hospital Municipal Infantil de Imperatriz. Teve de ficar numa sala abafada do hospital, pois não há vagas de UTI disponíveis na cidade.
Em uma enfermaria com 30 m2, ficam pelo menos seis crianças, as mães ao lado dos berços enferrujados, sentadas em grandes cadeiras de plástico. Ar-condicionado, só na administração do hospital.
É numa dessas enfermarias que está Ana Vitória Pinheiro Silva, de um ano e dez meses. Ela e a mãe, Elenilde, aguardam desde segunda-feira -com uma ordem judicial em mãos- por uma vaga numa UTI da cidade. Não conseguiram leito nem na rede privada.
A Prefeitura de Imperatriz quer implantar dez leitos de UTI infantil nos próximos meses, mas diz que o local já teve melhoras. Para a Vigilância Sanitária, porém, que esteve no hospital na quinta, é preciso antes corrigir vários problemas, principalmente no setor de esterilização e na lavanderia.
Apesar de ser polo regional para casos de média e alta complexidade, Imperatriz só tem oito leitos de UTI infantil -três na rede pública e cinco na particular. Somando as UTIs neonatais, são 26 leitos, mas que só atendem bebês de até 28 dias.

GAL COSTA - INÉDITA




Originais dos shows da fase áurea da cantora nos anos 70, "Índia", "Cantar" e "Gal Canta Caymmi" são encontrados nos arquivos de gravadora e vão virar CD em 2011

No meio da década de 1970, Gal Costa estava em processo de transição. A estética experimental e psicodélica que pontuou seus primeiros álbuns solo já se esgotava, abrindo caminho para que a "grande cantora", em termos técnicos e formais, tomasse a cena.
São desse período os hoje clássicos álbuns "Índia" (1973), "Cantar" (1974) e "Gal Canta Caymmi" (1976), que renderam então encenações igualmente antológicas. Pois os áudios originais desses shows acabam de ser descobertos nos arquivos da Universal, estão em fase de tratamento e devem ser editados em CD no próximo ano.
Quem encontrou o material foi o pesquisador Rodrigo Faour, que buscava faixas raras da cantora para compor uma coletânea. "Acho que ainda tem mais coisa por lá. Estamos investigando a possibilidade de um quarto show no pacote."
Musicalmente, o material é impecável. "Índia", o show, tinha direção musical de Gilberto Gil e uma banda que incluía Dominguinhos, Toninho Horta, Chico Batera e Robertinho Silva. "Cantar" unia Gal e João Donato em uma série de duelos memoráveis que a cantora nunca registou em disco.
A versão ao vivo de "Gal Canta Caymmi" é especialmente impressionante. Foi registrada, segundo Faour, na estreia do show, no Palácio das Convenções do Anhembi (SP). Gal divide cena com Dorival Caymmi (1914-2008) -o que torna a descoberta ainda mais valiosa.
Gal ainda não sabia da existência das faixas quando recebeu a Folha no apartamento onde mora, em Salvador.
Lembrou-se de que Caetano Veloso queria dirigir "Índia", o show e o disco, em 73. Mas não conseguiu sair da Bahia. "Acho que a preguiça pegou ele", disse. "Mas mandou ideias numa fita cassete. A inclusão da canção "Índia" foi sugestão dele."
Contou também que "Drume Negrinha" foi feita por Caetano especialmente para Gal apresentar no show "Cantar". "Era homenagem a Preta [Gil], minha afilhada que tinha acabado de nascer."
É essa mesma música que Gal, 64, canta hoje para ninar o filho Gabriel, 5, adotado em 2007. "Adoro cantar para ele dormir", diz. "Meu canto fica tão puro que volto para o começo, revisito meu passado, a infância, revejo minha mãe."
"Não sei como é parir um filho, mas entendi que isso não importa", diz. "Ele me rejuvenesce a cada dia e toda essa transformação certamente vai aparecer na minha música."

ATENTADO AO PUDOR

CASAL É PEGO TRANSANDO NA CÂMARA MUNICIPAL

Dois funcionários de uma empresa terceirizada que cuida da limpeza foram flagrados transando por câmeras de segurança da Câmara Municipal de Campinas, município de São Paulo. O casal estava no setor de almoxarifado quando foram filmados por uma das 43 câmeras instaladas no prédio. Eles foram afastados do serviço pela empresa responsável. O fato está gerando constrangimento no Legislativo, porque existe um boato de que a mesma funcionária manteve relacionamento sexual com um dos vereadores. Com o argumento de que o episódio possa prejudicar a imagem de todos os vereadores, alguns partidos já defendem uma investigação detalhada que esclareça se houve falta de decoro nas dependências da Câmara

Fernanodo Sarney pode ter repatriado US$ 1 mi


Para ex-doleiros e delegados, operação revelada pela Folha costuma ser usada por brasileiros que têm contas ilegais no exterior

Na Operação Faktor, PF captou conversas e e-mails de Fernando Sarney que tratavam de operações financeiras no exterior


MARIO CESAR CARVALHO
DA REPORTAGEM LOCAL
LEONARDO SOUZA
DA SUCURSAL DE BRASÍLIA


O empresário Fernando Sarney, filho do presidente do Senado, José Sarney (PMDB), pode ter trazido US$ 1 milhão do exterior ao remeter esse mesmo valor, a partir de uma conta mantida por ele nas Bahamas, para uma empresa na China.
A interpretação é de dois ex-doleiros e de dois delegados da Polícia Federal, que aceitaram explicar o significado da operação sob a condição de que seus nomes não fossem divulgados.
Como a Folha revelou no início do mês, Fernando remeteu US$ 1 milhão no começo de 2008 para uma empresa chamada Prestige Cycle & Parts (aparentemente um fabricante ou revendedor de acessórios de bicicletas), em Qingdao, na China. O dinheiro saiu da conta em nome de uma "offshore" movimentada por Fernando.
A dúvida é: por que o filho mais velho do presidente do Senado enviaria US$ 1 milhão para uma empresa de bicicletas na China? Os dois ex-doleiros dizem que esse tipo de operação, em que a empresa que recebe o dinheiro não tem relações diretas com quem fez a remessa, é típica de internamento de recursos. É o chamado dólar-cabo, operação em que um brasileiro que tem conta ilegal no exterior recorre quando precisa dos recursos convertidos em reais aqui no país.
Segundo os ex-doleiros, Fernando deve ter feito a remessa para a China a pedido de algum doleiro brasileiro. O doleiro, por sua vez, tinha um cliente no Brasil que precisava fazer essa transferência para a China. Num exemplo hipotético, esse cliente havia importado US$ 2 milhões, mas só declarou US$ 1 milhão às autoridades brasileiras. A diferença de US$ 1 milhão é paga por fora, sem impostos, e precisa sair de uma conta no exterior.
O doleiro casa essas duas necessidades. Num outro exemplo, ele pediria a Fernando para enviar o dinheiro para a China e entregaria a ele no Brasil o mesmo valor. Para fazer esse tipo de operação, o doleiro ganha uma comissão, de 1% a 2%.
Na Operação Faktor (ex-Boi Barrica), a PF captou, com autorização da Justiça, uma série de conversas e e-mails entre Fernando Sarney, familiares seus e amigos tratando de operações financeiras no exterior.
Numa delas, Fernando fala na necessidade de levantar US$ 2 milhões, de acordo com o entendimento dos policiais. Pelo diálogo, os investigadores acreditam que ele precisava trazer o dinheiro para o Brasil.
O filho do senador conversa com o empresário e seu amigo Gianfranco Perasso, apontado pela PF como um dos operadores da família Sarney para transações financeiras fora do país. Fernando chama Perasso pelo apelido de "China".
Diz Fernando: "Muito bem, porque eu não vou esperar aquela outra solução, não, viu China? A pressão está muito grande, eu vou resolver isso daquela outra forma que você".
"Quantos quilos você precisa?", pergunta Perasso.
"[...] Eu falei em quase dois americanos, mas não cheguei a tanto, não, tá? Mas você sabe do que eu preciso, né?", responde Fernando. No entendimento da PF, "dois americanos" era uma referência a US$ 2 milhões. Num dos relatórios da Faktor, a PF afirma que nem Fernando, seus familiares diretos ou Perasso declararam à Receita contas no exterior.

sábado, 27 de março de 2010

HOMOFOBIA: Médicos são acusados de perseguir militar gay



Sindicância feita pelo Conselho Regional de Medicina do DF vê "delitos éticos" de 18 profissionais de saúde do Exército

Acusação foi feita pelo sargento Laci Marinho de Araújo, que foi preso em 2008 após dizer que tinha uma relação homossexual

ANGELA PINHO
DA SUCURSAL DE BRASÍLIA


O Conselho Regional de Medicina do DF vai julgar o comportamento profissional de 18 médicos militares acusados de "delitos éticos" no tratamento do sargento Laci Marinho de Araújo, que alega ter sofrido perseguição do Exército após assumir relação homossexual.
Araújo foi preso pelo Exército em 2008 após dizer, em entrevista à Rede TV!, que era gay e que vivia com o sargento Fernando de Alcântara Figueiredo, que depois saiu da corporação.
O Exército alegou que Araújo estava sendo detido por ser considerado um desertor, o que os dois contestaram à época.
Ao todo, de acordo com Alcântara, foram 58 dias de detenção e 19 de retenção compulsória em um hospital, com tortura, de acordo com a denúncia encaminhada pelo próprio Araújo à entidade médica.
O CRM irá julgar se os profissionais denunciados infringiram nove artigos do Código de Ética Médica, entre os quais aqueles relativos a imperícia, negligência e discriminação.
Todos eles já passaram por uma sindicância no conselho, que constatou irregularidades nos procedimentos. O parecer diz que o sargento, embora tivesse diagnóstico de epilepsia, ficou preso e foi recolhido compulsoriamente ao hospital.
O parecer afirma que os médicos militares agiram como "militares médicos", colocando a medicina em segundo plano em relação aos interesses da sua instituição (o Exército).
O documento relata, ainda, que eles se negaram a reconhecer atestado feito por médico civil, adiaram a realização de exames e permitiram que uma pessoa doente fosse presa e internada compulsoriamente.
A partir de agora, o CRM irá ouvir o sargento Araújo, os profissionais de saúde acusados e testemunhas antes de emitir a decisão final -caso sejam punidos pelo órgão, os médicos ainda poderão recorrer ao Conselho Federal de Medicina.
O Exército informou ontem que os profissionais estão sendo notificados e que todos deverão ser defendidos pela Advocacia-Geral da União.

Fernando Sarney nega que tenha cometido crimes


Polícia vai indiciar filho de Sarney
PF só aguarda formalidades de governos estrangeiros para intimar empresário por evasão de divisas

Fernando Sarney nega que tenha cometido crimes ou irregularidades fiscais e diz que não irá comentar as operações no exterior


ANDREZA MATAIS
LEONARDO SOUZA
DA SUCURSAL DE BRASÍLIA


A Polícia Federal se prepara para indiciar o empresário Fernando Sarney, filho do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), pelo crime de evasão de divisas, em um dos inquéritos da Operação Faktor (ex-Boi Barrica) que ainda faltam ser concluídos.
A PF e o Ministério Público Federal, com a autorização da Justiça, rastreiam contas da família Sarney em diversos cantos do mundo. Conforme a Folha revelou nos últimos dias, as autoridades brasileiras já receberam a confirmação dos governos da China e da Suíça de que Fernando fez transações milionárias nesses países.
A PF agora aguarda apenas formalidades dos governos estrangeiros para intimar Fernando Sarney a depor e indiciá-lo por evasão de divisas, entre outras possibilidades relacionadas a crimes financeiros.
O empresário nega que tenha cometido crimes ou irregularidades fiscais. Sobre as operações financeiras no exterior, ele se recusa a comentar, alegando que as investigações sobre o caso correm sob segredo de Justiça. Já seu pai, o senador José Sarney, diz que o assunto se refere somente a seu filho.
No caso suíço, o governo local bloqueou uma conta do empresário no valor de US$ 13 milhões. As autoridades chinesas confirmaram ao governo brasileiro que Fernando remeteu para lá US$ 1 milhão a partir de uma conta em nome de "offshore" nas Bahamas. Fernando, seus familiares e amigos investigados na operação não declararam à Receita Federal contas que possuem no exterior.
A investigação sobre as transações bancárias do filho do presidente do Senado no exterior é um dos cinco inquéritos abertos pela PF na Operação Boi Barrica, renomeada Faktor.
No primeiro, foram analisadas as movimentações financeiras de uma factoring da família Sarney. No segundo, os contratos comerciais e negociações do grupo Marafolia, que a polícia aponta como pertencente a Fernando, mas registrado em nome de terceiros.
Há também um inquérito sobre suposto superfaturamento e desvio de recursos de obras da Valec (estatal vinculada ao Ministério dos Transportes). O quarto é o da evasão de divisas. O quinto foi arquivado pela PF -tratava da suspeita de vazamento de informações sigilosas do caso por um agente da Polícia Federal, mas não houve comprovação do crime.
Nos dois primeiros inquéritos, Fernando Sarney foi indiciado pela PF por formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e gestão fraudulenta de instituição financeira. Sua mulher, Teresa, também foi indiciada por formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e crime contra o sistema financeiro.
O Ministério Público Federal, contudo, pediu à polícia novas diligências nos dois primeiros inquéritos. Em relação ao da Valec e ao da evasão de divisas, a PF ainda precisa relatá-los (indiciar ou não os investigados).
Assim, o Ministério Público ainda não ofereceu denúncia contra nenhum dos suspeitos
.

sexta-feira, 26 de março de 2010

CASAL 20:Luciana Gimenez reclama de marido na TV




"Não queria que meu marido virasse ator. Não me casei com um artista, mas, sim, com um empresário. É uma decisão dele. Se ele quer, tem que fazer." Com esse desabafo, Luciana Gimenez, do "Superpop", resumiu para a coluna sua opinião sobre a estreia em abril do marido, Marcelo Carvalho, como apresentador do "Mega Senha", novo game show da RedeTV!,da qual é sócio.
Funcionária da emissora, status que fez questão de destacar, Luciana dividirá o palco com Carvalho na apresentação do lançamento, que já tem três versões de testes gravadas.
"As observações que fiz são pessoais. O programa é bárbaro, maravilhoso. O público quer um game uma vez por semana." Apesar de preferir Carvalho fora do mundo artístico, Luciana disse não estar preocupada com a possibilidade de a nova carreira do marido vir a abalar seu casamento. Mas voltou a insistir: "Homem artista é diferente -sem querer fazer críticas. Acho que a mulher lida melhor com isso. Sabe voltar para casa sem levar o personagem".
Engenheiro, Carvalho conta que a carreira de apresentador começou como brincadeira, nos bastidores da RedeTV!. Assume que a decisão de fazer o " Mega Senha" foi difícil. "Ela [Luciana] está louca da vida, brava. E eu morro de medo de mulher. Só vou fazer porque está ficando muito bom e é um programa que faz sucesso no mundo todo." Falta o último piloto. Depois, gravam para valer.

Fonte: Coluna Outro Canal (Folha de São Paulo0

ANDRÉA MICHAEL

TRES ANOS SEM GERÔ


Extráido do Blog do Manoel Santos.

Peço a Todos os Leitores
O Máximo de Atenção
Para Esta Narrativa
Que Faço Com Emoção
Sobre o Saudoso Gerô
Que Há Três Anos Nos Deixou
Na Mais Cruel Solidão!

No Dia Vinte e Dois de Março
Do Ano Dois Mil e sete
Gerô Sofreu Um Massacre
Com Golpes de Cassetete
De Ponta-Pé e Outros Mais
Por um Trio de Policiais
Que o Mundo Viu Na Internet

A Covardia Foi Tanta!
Sofrida Pelo Gerô
Com Cinco Costelas Quebradas
Sinceramente, Um Horror!
Rins e Pulmões Dilacerados
Por Três Canalhas, Soldados…
… E a Justiça Os Liberou!!!

Talvez Por Ele Ser Humilde
E Por Ser Negro Também
Sendo Assim Discriminado
Sem Discriminar Ninguém
Levou Até o Fim Sua Cruz
E Hoje Está Com Jesus
Morando Lá No Além!…

Deixou Viúva a Marilene �
E Jederson Na Orfandade
O Seu Filho Unigênito
Curtindo Tanta Saudade!…
Seu Filho Não Se Abateu
Prestou Exame e Venceu
E Hoje Estuda Em Faculdade

Os Três Policiais Culpados
Pela Morte de Gerô
O Mendes Que Foi Omisso
E o Expedito o Executor
Podem Ficar Sossegados
Que Um Dia Serão Julgados
Por Nosso Pai Criador!
Também o Paulo Roberto
O Segundo Executor
Vai Acompanhar o Expedito
Perante o Nosso Senhor
Terão Que Se Explicar
Quando o Pai lhes Perguntar:,
“Por que Mataram Gero?!!!”
O que Aumenta a Revolta
Em Nossa População
É a Tal Impunidade
Que vem Da Constituição
Com As Tais “Brechas” Da Lei
Cofesso, Já Me Cansei
Com Tanta Esculhambação!

Se Houvesse Pena de Morte
Em Nosso Querido Brasil
Aqueles Três Criminosos
Que Mataram a Sangue Frio
Nosso Artista, Nosso Irmão
Estariam No Fundo Do Chão
Mortos a Faca ou Fuzil!!!

Todos, Porém Já Estão Soltos
Trabalhando Normalmente
Já Retornaram Aos Quartéis
De Forma Indiferente
Com Toda Tranquilidade
E Com Essa Insanidade
Ainda Vão Matar Muita Gente!

Além da Viúva e o Filho
Que Perderam o Companheiro
O Manezinho do Rádio
O Seu Irmão e Conselheiro
E Todos Familiares
Nos Mais Diversos Patamares
Rezam e Oram o Tempo Inteiro

Deixando Um Pouco a Tristeza
Para Falar De Alegrias
Que era o Próprio Gerô
Nosso Querido Jeremias
Portador De Bom Astral
Do São João Ao Carnaval
Fazendo Suas Poesias

Era Grande Instrumentista
Da Violinha Ao Violão
Com Grande Facilidade
Compunha Uma Canção
Extremamente Inteligente
Improvisava o Repente
Deixando Alegre o Povão!

Nos Palanques Eleitorais
Na Ala do P D T
Lá Estava Nosso Gerô
Com Irreverência e Prazer
Animando o Ambiente
Com Sua Voz Diferente
Que é Difícil De Esquecer

Ele Chegou a São Luís
Com Manezinho, Seu Irmão
Demais Irmãos e Seus Pais
Já Que Moravam em Monção
A Família Estava Feliz
Ao Chegar a São Luís
Para Cumprir Outra Missão

Ainda Muito Pequeno
Acompanhava o Seu Irmão
O Manezinho do Rádio
Nas Festas de São João
Nos Arraiás da Cidade
Com Tanta Felicidade
Causando Extrema Emoção!

Lá No Bairro Do João Paulo
O Manezinho Trabalhava
Fazendo a Locução
Na Loja Que o Contratava
Só Que Não Ia Sozinho…
…Uma Vez Que Seu Maninho
Gerô Sempre o Acompanhava

Então o Seu Dom Artístico
No Convívio Com o Irmão
Sem Dúvida Desabrochou
Causando Satisfação
Com o Potencial Do Gerô
Quem Se Beneficiou
Foi o Povo do Maranhão!

Cresceu e Virou Artista
Cumprindo Assim o Seu Destino
Mas Sempre Com o Manezinho
Irmão Com Trato Tão Fino
Depois Mané Foi Trabalhar
Na Então Rádio Ribamar
No Parque Do Bom Menino

Enquanto Mané Apresentava
O Seu Forró Pé De Serra
Com As Suas Brincadeiras
O Melhor do Planeta Terra
Gerô Ficava Ao Seu Lado
Numa Cadeira Sentado
Já quase Pronto Pra Guerra

A Guerra é No Bom Sentido
Dotada De Segurança
Além De Ter o Domínio
E Alimentar A Esperança
Com o Sucesso Em Expansão
Lembrando Sua Monção
De Onde Veio Em Criança

Se Deus Lhe Der Permissão
Uma Vez Que Ele é Tão Bom!
Reúna Aí Os Artistas
E Em Seguida Dê o Tom
Mesmo Daí Não Se Cale!
Chame Escrete e João Do Valle
E o Nunes Do Acordeon!

Além Dos Três Convidados
A fim De Evitar Conflito
Convide o Mestre Felipe�
E o Saudoso Nelson Brito
E para Animar a Platéia
Convide o Lopes Bogéa
Para Arrancar Aplauso e Grito!

Gerô Que Gerou Saudades
E Antes Gerou Alegrias
Alegrando-nos Com Suas Músicas
Também Com Suas Poesias
Sempre Com Ótimo Astral
No Mundo Espiritual
Descanse em paz Jeremias!…


Vitorino Ribeiro*

*Contabilista, poeta, professor e corretor de imóveis

quarta-feira, 24 de março de 2010

RELAÇÃO ENTRE FUTEBOL E ALCOOL


Por Sandro Moraes, especial para o Yahoo
Adriano é só a ponta do iceberg na relação futebol-álcoolO retorno de Adriano ao futebol brasileiro trouxe gols, visibilidade e um título para o Flamengo. Mas teve como efeito colateral a volta de antiga discussão: a relação entre alcoolismo e bola. “Dirigentes, técnicos, colegas de profissão e imprensa lamentam o acontecido, anunciam providências e, nas entrelinhas, responsabilizam exclusivamente o jogador diretamente envolvido que, na maioria dos casos é uma vítima. Ao invés de ser tratado corretamente como doente, é taxado como irresponsável que está jogando seu talento pela janela”, afirma Carlos Salgado, presidente da Associação Brasileira de Estudos do Álcool e Outras Drogas.

É algo tão arraigado na cultura do principal esporte nacional que, na biografia de Garrincha, o escritor Ruy Castro observa que toda grande equipe tinha alguém conhecido por entornar uma dose atrás da outra.

A história de Adriano colabora para toda a celeuma criada. O começo do enredo foi clichê, mas ganhou contornos de folhetim nos últimos tempos: menino de infância pobre vira astro do futebol, vai para grande clube da Europa e fica milionário. Até aí, nada de muito novo. Porém, no caso do atual artilheiro do Flamengo, a solidão fez com que ele passasse a beber exageradamente e quisesse “abandonar a carreira”. A aposentadoria precoce foi apenas desculpa esfarrapada para que conseguisse voltar a jogar no Brasil sem dar satisfações à Internazionale.

“Adriano tem problema com a bebida”, reconheceu o vice de futebol da Gávea, Marcos Braz. Foi a maneira que encontrou para explicar as constantes ausências do atleta nos treinos, assim como as visitas a bailes de funk nos morros cariocas e brigas com a nada pacata namorada, Joana Machado.



Era um dos segredos menos bem guardados do futebol. Um ex-companheiro do atacante na sua passagem de seis meses pelo São Paulo, em 2008, confidenciou a jornalistas que houve ocasiões que Adriano chegou ao CT da Barra Funda “com bafo de cachaça”. Isso às 9 horas da manhã.

Embora não admita publicamente o problema, ele é alvo fácil. Sua tumultuada vida pessoal passou a ser investigada pela imprensa. O jornal ‘O Dia’, do Rio, publicou reportagem em que relata orgias nas festas promovidas por Adriano. Relatos que deixariam o degenerado imperador romano Calígula com inveja. O ápice do “evento” patrocinado pelo imperador do Flamengo seria uma “exibição” de sexo entre um asno e um anão.

É bem verdade que o álcool hoje é menos tolerado, mas o flamenguista é só um exemplo. Trata-se somente do caso mais visível. Os bastidores da bola estão repletos de histórias de abusos e de problemas escondidos a todo custo do público. E atinge não apenas os jogadores.

Na época da parceria da Hicks Muse com o Corinthians, entre 1999 e 2002, o texano Dick Law, representante da empresa no Brasil, espantava-se com a conta de hotel a cada vez que a equipe se concentrava, especialmente nos dois últimos anos do contrato. Pesava no bolso do americano a lista de bebidas consumidas: a média era de R$ 3 mil. A tolerância com relação ao álcool era tão grande no clube que foi criada uma confraria, chamada de ‘culto’ pelos seus integrantes. E cada novo membro da irmandade tinha de ser batizado. Um dos mais veteranos, tanto no tempo de casa quanto na idade, chamado de ‘reverendo’, virava uma garrafa de uísque goela abaixo do ‘novato’, enquanto os outros gritavam em coro:

“Derrama, Senhor! Derrama, Senhor!”

Um médico, integrante do ‘culto’ depois passou a apresentar problemas mais sérios com o vício, chegando a ser alvo de protestos de conselheiros em outras equipes que trabalhou em São Paulo. Apesar disso, recusou-se a procurar ajuda com receio dos problemas do que a publicidade do seu caso poderia causar.

“Programas psicológicos, sociais e preventivos são raros (ou inexistentes) nos grandes times deste país”, completa Salgado.

Isso quando o dirigente não faz questão de olhar para o outro lado apenas para fazer de conta não saber do problema. Entre 2006 e 2008, um integrante da comissão técnica do Santos desenvolveu operação de guerra para evitar ser visto alcoolizado dentro do Centro de Treinamento. Cada vez que retornava ao clube, de madrugada, visivelmente embriagado, se escondia na capela por horas. Com certeza não ficava lá rezando. Mais de uma vez dormiu por ali mesmo, até que um segurança viesse resgatá-lo quando não houvesse risco de ser visto.

A Femsa, uma das principais fabricantes de cerveja do País, patrocina o G-4, união dos quatro grandes clubes paulistas. O garoto-propaganda é o padre Marcelo Rossi que encontra uma explicação inusitada para explicar sua ligação, como representante da Igreja Católica, com a cervejaria: “A Igreja proíbe as bebidas destiladas, não as fermentadas”. Ah, bom!

Dunga, técnico da Seleção, faz propaganda da Brahma, e a CBF já sinalizou a intenção de liberar a venda de álcool nos estádios durante a Copa de 2014.

Claro que é uma questão social que não aflige apenas os brasileiros. George Best, o maior jogador da história do Manchester United, morreu em decorrência do alcoolismo. Paul Gascoigne já foi interditado duas vezes por problemas psicológicos resultantes de anos e anos de porres homéricos. O governo "assumiu" o ex-meia do Tottenham e da seleção, reconhecendo que ele não poderia ser responsabilizado pelos próprios atos. Stephen Worgu, nigeriano que atuava no Al-Merreikh, do Sudão, foi condenado a 40 chibatadas por infringir lei que proíbe o consumo de bebida. Ariel Ortega, apontado como sucessor de Maradona, luta para controlar o vício que o impediu de atingir todo seu potencial. Tony Adams, ex-zagueiro do Arsenal e da seleção inglesa, publicou ‘Addicted’ (Viciado) um brutal relato do que ele mesmo chama de ‘inferno’ do álcool.



“A verdade é que quando tudo está bem dentro de campo, ninguém fala sobre nada disso”, disse Kléber Pereira, quando atravessava jejum de gols no ano passado.

O centroavante, hoje no Internacional, teve de responder a perguntas, em sua passagem pela Vila Belmiro, sobre seus hábitos etílicos. Eram comuns as histórias sobre suas idas a São Paulo para visitar bares. Mas ele tem razão quando observa que os boatos sobre sua vida noturna cessavam quando estava marcando gols.

Os jogadores detestam ter sua imagem associada à bebida. É compreensível. Mas isso não impede que suas peripécias circulem entre os que estão mais próximos do esporte. O ódio generalizado à concentração tem como pano de fundo a privação de fazer o que lhes vier à cabeça. Ronaldo, por exemplo, quando está longe do esporte e fora dos olhos dos jornalistas, bebe e fuma como se não houvesse amanhã. No fatídico episódio da visita ao bordel Pop’s Drinks, em Presidente Prudente, no ano passado, ele voltou ao hotel corintiano com uma prostituta a tiracolo e tropeçando nas pernas de tão embriagado. O caso se tornou público e custou o cargo do diretor técnico Antônio Carlos Zago.

Para ter liberdade até em locais onde tudo deveria ser mais regrado, alguns jogadores e técnicos montam operações de guerra para cometer abusos nas concentrações. Há treinadores que fazem questão da hospedagem sempre no mesmo lugar por causa disso.

Alguns até enxergam um lado divertido sobre o gosto pelo álcool. Beto, campeão brasileiro pelo Botafogo em 1995, foi jogar no Brasiliense no final da carreira. Peregrinava pelas boates do Distrito Federal e sempre dava seu cartão de visitas. “Você não me conhece? Eu sou o Beto Cachaça”.

É um caso raro. Negação é uma das etapas de quem perde a carreira com a contribuição do álcool. Se Garrincha, que nunca admitiu o vício, é o caso mais clássico, há outros. Pagão, um dos maiores jogadores da história do Santos, morreu de cirrose. Mesmo nos exemplos sem desfecho trágico, existe a tendência para minimizar o problema. Como Arinelson, revelação do Iraty, do Paraná, comprado pelo Santos em 1997 como futuro jogador de Seleção Brasileira. Não chegou a esse nível, em parte pelos constantes casos de atraso e relatos de festas regadas a uísque e cerveja. Tanto em Santos como em passagens posteriores pelo futebol carioca.

Adriano, em parte por ser quem é, virou a bola da vez. Seu caso traz à tona um problema antigo e que deve voltar às sombras assim que ele volte a jogar bem e fazer gols. Ou até o próximo escândalo.

domingo, 21 de março de 2010

IRRGULARIDADES: CGU investiga 2.394 por fraude em aposentadoria

A Controladoria-Geral da União investiga 2.394 servidores federais por suspeita de terem obtido duas aposentadorias de forma fraudulenta.
Segundo a CGU, eles têm uma aposentadoria como funcionário público e outra do INSS. Mas, para obtê-las, teriam utilizando um mesmo tempo de contribuição para ambas, o que é proibido.
O prejuízo, considerando tudo o que foi recebido até junho de 2009, foi estimado em R$ 272 milhões (não corrigidos). Caso seja comprovada a irregularidade, o órgão pedirá o fim de um dos benefícios.
Do total de 2.394 servidores aposentados nos dois regimes investigados, há indícios de irregularidades em 1.427 aposentadorias no regime do serviço público e 967 na previdência social. O prejuízo anual é de R$ 18 milhões para o governo, que paga as aposentadorias dos servidores, e de outros R$ 28,2 milhões para o INSS.
A suspeita surgiu a partir de cruzamentos entre as bases de dados dos aposentados do governo federal e a do INSS. Um servidor pode utilizar suas contribuições ao INSS para se aposentar como funcionário público. Mas não pode reutilizá-las para obter outro benefício na previdência social.
A análise também encontrou 1.022 servidores que já pediram aposentadoria no INSS com tempo de contribuição no serviço público. A CGU está encaminhando alertas aos órgãos públicos onde esses servidores trabalham.

RUMO AO PLANALTO::Serra com 36% e Dilma com 27%




Pesquisa Datafolha realizada nos dias 25 e 26 de março de 2010 indica que o pré-candidato a presidente José Serra (PSDB) voltou a crescer e atingiu 36% das intenções de voto. Dilma Rousseff (PT) está com 27%. A diferença entre ambos agora é de 9 pontos percentuais.
Em fevereiro, segundo o Datafolha, Serra estava 4 pontos à frente de Dilma, com 32% contra 28% da petista.

DEU NA FOLHA DE SÃO PAULO:Conta de US$ 13 mi de filho de Sarney é bloqueada na Suíça



Rastreado a pedido da Justiça brasileira, depósito não foi declarado à Receita

Suíços retiveram recursos quando Fernando Sarney tentava transferi-los para paraíso fiscal; ele já afirmou não ter conta no exterior

LEONARDO SOUZA
ANDREZA MATAIS
DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

O governo suíço achou e bloqueou conta de US$ 13 milhões controlada pelo filho mais velho do presidente do Senado, José Sarney (PMDB). Os depósitos foram rastreados a pedido da Justiça brasileira, por suspeita de que a família do senador tenha remetido ilegalmente dinheiro para fora do Brasil.
Os depósitos estão em nome de uma empresa e eram movimentados exclusivamente por Fernando Sarney, que cuida dos negócios da família no Maranhão. O dinheiro não está declarado à Receita Federal, segundo a Folha apurou.
O bloqueio da conta na Suíça é um desdobramento da Operação Faktor (ex-Boi Barrica), conduzida pela Polícia Federal e pelo Ministério Público. Nesse inquérito, Fernando já foi indiciado por formação de quadrilha, gestão financeira irregular, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.
Recursos no exterior não declarados à Receita caracterizam sonegação de tributos e geralmente são frutos de evasão de divisas e lavagem de dinheiro. Empresas da família Sarney são alvo do fisco e da PF sob a suspeita desses crimes.
O bloqueio determinado pelos suíços ocorreu quando Fernando tentava transferir recursos daquele país para o principado de Liechtenstein, conhecido paraíso fiscal entre a Áustria e a Suíça.
Trata-se de um bloqueio administrativo, adotado preventivamente quando há suspeitas sobre a natureza do dinheiro. Se comprovado que o dinheiro tem origem ilícita, como corrupção ou fraude bancária, o bloqueio passa a ter caráter criminal, e os recursos podem ser repatriados ao país de origem.
Procurado pela reportagem, Fernando disse que não comentaria o assunto. Em 2009, em entrevista ao jornal, ele negou operar contas no exterior.
A Folha também entrou ontem em contato com o escritório do advogado do empresário, Eduardo Ferrão, mas ele não pôde atender a ligação porque estava numa reunião com o pai de Fernando, José Sarney.
Essa é a segunda conta no exterior movimentada por Fernando que foi rastreada pelas autoridades brasileiras e não informada à Receita Federal.
Como a Folha revelou no início do mês, o governo chinês já havia informado o Ministério da Justiça que Fernando transferiu em 2008 US$ 1 milhão de uma conta no Caribe para Qingdao, na China. A ordem foi assinada de próprio punho pelo empresário.
Segundo as autoridades chinesas, os recursos foram creditados na conta da Prestige Cycle Parts & Accessories Limited (uma empresa, pelo nome, de acessórios de bicicleta), exatamente como estava escrito no ordem bancária. Os investigadores brasileiros ainda não sabem qual a finalidade desse depósito.
Tanto no caso da Suíça quanto no da China, as contas não estão diretamente no nome de Fernando, mas no de "offshores" -empresas localizadas no exterior, normalmente em paraísos fiscais. A conta suíça estava registrada em nome de uma empresa chamada Lithia. Fernando consta nos registros da conta como único autorizado a movimentá-la, segundo a Folha apurou.
As autoridades brasileiras aguardam novas informações dos governos estrangeiros para decidir quais passos serão tomados a partir de agora.
A Receita continua a auditoria da família Sarney -as empresas e várias pessoas físicas. A devassa começou em 2008 a partir do trabalho da PF. Os fiscais já detectaram indícios de crimes contra a ordem tributária, como remessa ilegal de recursos para o exterior, falsificação de contratos de câmbio e lavagem de dinheiro.
Na Operação Faktor, a PF interceptou com autorização judicial diálogos e e-mails de Fernando, de familiares e de amigos. Nessas conversas e mensagens, eles tratavam, às vezes em código, de transações no exterior. Numa, o filho de Sarney fala sobre levantar "dois americanos" -US$ 2 milhões, no entendimento da PF.
A movimentação constante de contas ilegais pode caracterizar o que o direito penal define como "crime continuado". Segundo investigadores do caso, a prática pode justificar uma prisão em flagrante.

ECONOMIA: DESEMPREGO SOBE

Desemprego sobe pelo segundo mês seguido e vai a 7,4%, mostra IBGE
Em dezembro, indicador alcançara mínima recorde de 6,8%.
Rendimento médio dos trabalhadores ficou maior em fevereiro.


A taxa de desemprego registrou sua segunda alta consecutiva em fevereiro, e alcançou 7,4%, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados nesta quinta-feira (25). Em dezembro, o indicador alcançara a mínima recorde de 6,8%. Em janeiro, a taxa era de 7,2%.

Apesar da alta na comparação com janeiro, o nível de desemprego segue abaixo do registrado no mesmo mês de 2009, de 8,5%. A taxa de 7,4% também é a menor para já registrada para um mês de fevereiro, de acordo com o IBGE.


saiba mais
Após mínima recorde, desemprego sobe para 7,2% em janeiro Desemprego tem leve alta em janeiro, mostra Dieese
--------------------------------------------------------------------------------
O Instituto estimou em 1,7 milhão o número de pessoas desempregadas nas seis regiões metropolitanas pesquisadas (Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre), o mesmo registrado em janeiro. Frente a fevereiro do ano passado, o número mostra um recuo de 11,3%.

A população ocupada também ficou estável na passagem de janeiro para fevereiro, em 21,7 milhões de pessoas. Entre os grupamentos de atividade, houve queda apenas em serviços domésticos, de 3,4%. Frente a fevereiro de 2009, houve alta de 3,5% no número de pessoas ocupadas, um acréscimo de 725 mil postos de trabalho.

Rendimento
Apesar da alta no desemprego, o rendimento médio real dos trabalhadores cresceu 1,2% em fevereiro frente a janeiro, e alcançou R$ 1.398,90. O rendimento médio real domiciliar per capita também teve elevação, de 0,8% na comparação com o mês anterior, para 924,50.

Messi tenta na África do Sul acabar com a 'maldição do melhor do mundo'


Baggio, Ronaldo, Figo e Ronaldinho Gaúcho lamentam: melhores do mundo à época daquelas Copas, craques saíram do torneio infelizes. Será Messi capaz de pôr fim à sina?


Desde a criação do prêmio pela Fifa, todo eleito no ano anterior sai da Copa do Mundo seguinte decepcionado


Além de toda a pressão que os grandes craques são obrigados a enfrentar em competições importantes, Messi, o craque mais badalado do momento, tem um obstáculo a mais pela frente na Copa da África do Sul, em junho: a chamada "maldição do melhor jogador do mundo". Desde a criação do prêmio pela Fifa, no início da década de 90, todos os eleitos como melhor do planeta um ano antes da Copa saíram do torneio com um gosto amargo na boca.


Em 1994, o italiano Roberto Baggio entrou para a história depois de isolar o pênalti decisivo, que deu o tetra ao Brasil. Em 1998, Ronaldo teve uma convulsão horas antes da final, foi a campo assim mesmo e levou o maior chocolate sofrido pela seleção brasileira na história das Copas: 3 a 0 da França. Em 2002, o português Figo nem da primeira fase passou. E em 2006, Ronaldinho Gaúcho não fez sequer um golzinho e voltou para casa nas quartas de final, após nova derrota para a França.


Messi está ciente de tudo que o aguarda e tem consciência da importância de vencer a Copa.

- Para se tornar uma lenda, para ser um dos grandes, você precisa conquistar uma Copa do Mundo. Eu acabei de completar 22 anos. Tudo está acontecendo muito rapidamente e é preciso manter a calma - disse Messi no início da semana.

Resta saber se ele será capaz de pôr fim à maldição do melhor do mundo.
_______________________________________________________________________________

Relembre os fracassos dos melhores do mundo nas Copas:

ROBERTO BAGGIO

Campeão da Copa da Uefa pelo Juventus um ano antes, Roberto Baggio, revelação da Itália na Copa de 90, tinha se transformado 'no cara' da Azzurra em 94. O craque foi muito importante para levar a seleção à final, mas perdeu, de forma bisonha, o pênalti que selou o tetra do Brasil


RONALDO (FENOMENO)

Ronaldo chegou à Copa de 98 com duas eleições de melhor do mundo na bagagem. Fez gols essenciais para que o Brasil chegasse à final mas, no dia decisão, teve uma crise convulsiva. Depois de exames, ele foi a campo, mas caiu junto com todo o time e levou 3 a 0 dos franceses. Uma despedida para lá de amarga para o Fenômeno


FIGO

Melhor do mundo em 2001, Figo chegou à Copa do Japão e da Coreia com a pompa de ter acabado de conduzir o Real Madrid ao nono título da Liga dos Campeões. No Mundial, entretanto, um fiasco: derrotas para Estados Unidos e Coreia do Sul resultaram na eliminação de Portugal ainda na primeira fase do torneio

RONALDINHO GAÚCHO

Ronaldinho chegou à Copa de 2006 como duas vezes melhor do mundo e também como grande responsável pela conquista da Liga dos Campeões por parte do Barcelona, um mês antes do Mundial. Mas a bola rolou e o Gaúcho não brilhou. Para piorar, nunca mais recuperou o mesmo nível de antes daquela Copa

DEMITIDO:ACABOU O CICLO DE MANCINI NO VASCO



Vagner Mancini é demitido do Vasco
Capítulo final da passagem do treinador pela Colina foi a derrota para o Americano, nesta quarta-feira, em São Januário


O técnico Vagner Mancini não resistiu ao 3 a 2 para o Americano nesta quarta-feira, em São Januário, e foi demitido pela diretoria do Vasco.A decisão foi tomada pela cúpula do futebol em uma reunião de mais de uma hora. O treinador estava aguardando a decisão no vestiário.

De lá, saiu para a sala da presidência, onde se despediu dos dirigentes. Mancini não concedeu entrevista coletiva. O presidente Roberto Dinamite, no entanto, resumiu a saída do treinador.

Império do Amor volta a brilhar no Flamengo


Imperador Adriano volta a sorrir em campo

Atacante festeja dois gols e se diz feliz pelo sucesso do Império do Amor, que lidera a tabela dos artilheiros


Segundo colocado na tabela dos artilheiros, com dez gols, um atrás de Vagner Love, goleador do Campeonato Carioca, com 11, Adriano
se disse feliz em, talvez, poder ver o Império do Amor mais afinado a cada dia que passa. O Imperador também comentou sobre a facilidade que encontrou para fechar o placar.

- Acho que foi um dos gols mais fáceis que fiz. E espero poder fazer
mais gols assim e ajudar o Flamengo. É importante para todos nós.
Trabalhamos para ajudar o time a conseguir os resultados - comentou
Adriano, em entrevista à TV Globo, ainda no gramado do Engenhão.

FENÔMENO MANDA 'DEDO' PARA A TORCIDA

LUA DE MEL ACABA E 'FENÔMENO' RESPONDE CRÍTICA DE TORCEDORES



Ronaldo garantiu que tem costas largas e experiência para aguentar as cobranças. Mas não foi isso que o Fenômeno demostrou no vestiário da Arena Barueri, nesta quarta-feira à noite.

Xingado por cerca de 20 torcedores no estacionamento do estádio, no momento que entrava em seu carro, o atacante perdeu a cabeça e mostrou o dedo do meio, como resposta aos xingamentos recebidos.

Após a atitude grosseira, Ronaldo entrou em seu carro filmado e foi embora. Outros jogadores, por sua vez, foram apoiados pelos corintianos que estavam no local. O goleiro Felipe, os volantes Jucilei e Ralf e o lateral-esquerdo Roberto Carlos foram aplaudidos quando apareceram no estacionamento.

A Polícia Militar foi chamada para ajudar na saída do ônibus corintiano. Um cordão de isolamento foi feito na saída do vestiário principal da Arena para evitar maiores problemas com os torcedores.

– A cobrança é feita na mesma proporção de quando somos elogiados. Às vezes, até somos endeusados, acima do que merecemos. Na má fase, as críticas vêm da mesma forma – lembrou Mano Menezes

'Chico Xavier' tem première em Paulínia




Cinebiografia, que estreia em 2 de abril, teve 40% das filmagens na cidade.
Nelson Xavier interpreta o médium na trama dirigida por Daniel Filho.

'Chico Xavier', cinebiografia dirigida por Daniel Filho, teve première na noite desta terça-feira (23), em Paulínia, local onde aconteceram 40% das filmagens. O ator Nelson Xavier, um dos protagonistas da trama, foi prestigiar o lançamento. O longa já foi exibido nas cidades mineiras de Pedro Leopoldo e Uberaba, onde o médium passou grande parte de sua vida.

BOLEIRO AGRESSOR:Jogador de futebol da Búlgaria é preso por sequestrar e espancar apresentadora de TV


A polícia da Bulgária prendeu o jogador de futebol Orlin Orlinov, do CSKA Sófia, acusado de sequestrar e espancar a modelo e apresentadora de televisão Katrin Vacheva.

Eles teriam se conhecido no último domingo (21) em um restaurante, e o atacante teria oferecido uma carona à Katrin. Ao se recusar a entrar na casa dele, a apresentadora foi agredida pelo jogador.

Segundo a emissora local bTV, Katrin sofreu uma concussão, teve o nariz quebrado e ficou com vários hematomas por todo o corpo.

"Ele me jogou no chão e me bateu na barriga, nas costas, em todas as partes do corpo. E gritou que eu teria que entrar com ele. Depois me forçou a entrar em seu apartamento, onde continuou a surra. Todo o chão ficou coberto com meu sangue", disse a modelo.

Após ficar sequestrada por dez horas - período em que continuou apanhando - Katrin conseguiu fugir. "Orlinov me disse que sou bonita e, segundo ele, as mulheres bonitas merecem apanhar", afirmou. Preso, o atacante confessou ter agredido a apresentadora, mas "muito pouco".

SUCESSÃO:Alberto Goldman, senhor governador


No dia 1º de abril, o vice Alberto Goldman (PSDB-SP) acordará governador de SP no lugar de José Serra (PSDB-SP), que deixará o cargo para disputar a Presidência. Dono de personalidade forte, poderá ele se transformar num sucessor autônomo e crítico como Claudio Lembo, vice que assumiu o governo no lugar de Geraldo Alckmin, em 2006?
Lembo, que na época enfrentou a crise do PCC, criticou duramente os tucanos e chegou a dizer que o governo que herdou era como "um Fusca 68, com o motor meio fundido". Goldman defende Lembo, diz que será diferente dele -mas já deixa transparecer que seu candidato preferido para disputar o governo de SP pelo PSDB não é Geraldo Alckmin (o partido também discutiu internamente a possibilidade de Aloysio Nunes Ferreira concorrer ao cargo).

TELEVISÃO:Ministério Público move ação para Globo explicar Aids no 'BBB'


Ministério Público move ação para Globo explicar Aids no 'BBB'
O Ministério Público pediu à Justiça que determine à Globo a exibição, no "BBB", de esclarecimentos sobre a contração do vírus HIV, conforme orientação do Ministério da Saúde. O pedido foi apresentado ontem, à Justiça Federal em SP, pelo procurador regional dos Direitos dos Cidadãos em SP, Jefferson Dias. É uma liminar. Não há data para apreciação, mas, para que tenha eficácia, é necessário que isso ocorra até o dia 30, o final do "BBB".
A medida é um desdobramento das declarações do "brother" Marcelo Dourado gravadas em2/2 e veiculadas no programa de 9/2. Disse ele: "Hétero não pega Aids [...]. Um homem transmite para outro homem, mas uma mulher não passa para o homem". A orientação ao público deverá durar o dobro do tempo da afirmação de Dourado. Para o procurador, ao optar por exibir a declaração, a Globo prestou "um desserviço para a prevenção da AIDS no Brasil".
Ocaso é alvo de inquérito, no qual Dias investiga a responsabilidade da emissora no episódio e eventual obrigação de reparar prejuízo à saúde pública. Ouvida pelo procurador, a Globo disse que o apresentador Pedro Bial informara ao público que dados sobre como o HIV é transmitido deveriam ser obtidos no site do ministério. Procurada pela coluna, a Globo disse pela assessoria que não se manifestaria pois ainda não fora notificada pela Justiça.

TELEDRAMATURGIA:Bruno Ferrari garante que não está deslumbrado por protagonizar uma novela



Em quase dez anos de carreira, Bruno Ferrari se orgulha da trajetória que trilha na TV. Aos 27 anos, o ator paulistano já experimentou de tudo um pouco: desde um papel de menor destaque, como o Guto de "Sabor da Paixão", da Globo, até um vilão cômico e para lá de sedutor, como o Tomás de "Chamas da Vida", da Record.

E ele diz que não se deslumbra com o primeiro protagonista: o sensível Rodrigo, de "Bela, A Feia", da Record. "Desde que estreei na televisão, todos os personagens que peguei foram do meu tamanho. Comecei com um papel pequeno, depois fiz outro maior e outro..."

Em seu sétimo trabalho na TV –sendo o quarto na Record–, Bruno admite estar bem mais maduro e seguro de si. Prova disso é que, há sete meses no ar como o empresário que se apaixona pela secretária, ele jura estar muito menos crítico consigo mesmo e quase não se cobra mais em relação ao seu desempenho na trama.

GLOBO NÃO QUER FUTEBOL CEDO


FPF e Globo vão à Câmara de São Paulo para barrar lei

Em audiência na Câmara Municipal de São Paulo marcada às pressas para discutir um projeto já votado em segunda e definitiva discussão, a Globo Esportes e a Federação Paulista de Futebol (FPF) pressionaram nesta terça-feira os vereadores pela alteração da proposta que impede a realização de jogos de futebol na capital paulista depois das 23h15.

Marcelo de Campos Pinto, diretor executivo da Globo, chegou a dizer em plenário que clubes como Corinthians e São Paulo passariam a mandar seus jogos fora da cidade por causa da regra, o que seria pior para seus torcedores do que as partidas com final perto da meia-noite. O presidente da FPF, Marco Polo Del Nero, fez ameaça maior. Declarou que os clubes paulistas podem ser impedidos pela Conmebol de participarem da Copa Libertadores a partir de 2011, por não cumprirem os acordos de transmissão de TV em seu País.

O texto que obriga os jogos a começarem no máximo às 21h15 foi aprovado há duas semanas por 43 dos 55 vereadores e aguarda sanção ou veto do prefeito Gilberto Kassab (DEM), que ainda não manifestou sua posição. Se o prefeito não vetar a proposta nos próximos oito dias, a Câmara pode promulgar o projeto e a regra, desta forma, entra em vigor.

Nos últimos dias, porém, executivos da Globo e dirigentes da FPF têm pressionado tanto o Executivo como a Câmara pela alteração do texto. As audiências no Legislativo são marcadas sempre antes das votações dos projetos. Mas, após pedido feito por Del Nero ao presidente da Câmara, Antonio Carlos Rodrigues (PR), uma reunião aberta foi marcada para que fossem apresentados os argumentos dos dirigentes e executivos contrários à mudança. Durante quase quatro horas, houve embate entre os representantes da Globo e da FPF com os vereadores.

Segundo o diretor executivo da Globo Esportes, os jogos realizados às 21h45 nos dias de semana registraram em 2009 média de público de 23.787 pagantes, superior à dos jogos realizados às 21 horas, de 17.911. "A plasticidade dos estádios cheios também nos interessa, dá credibilidade à TV, que representa o estádio infinito. Por isso há uma imperiosa necessidade de que sejam mantidos os jogos às 21h45", argumentou o diretor.

O tom de ameaça do executivo e do dirigente causou mal-estar e momentos de tensão no plenário. "Na base do tapetão, estão tentando uma prorrogação que não existe. O projeto já foi votado, está nas mãos do prefeito", bradou o vereador Adilson Amadeu (PTB). Apesar da pressão, o Legislativo descartou por enquanto elaborar novo projeto. Presente na audiência, o secretário municipal de Esportes, Walter Feldmann, disse que Kassab ainda não decidiu se vai vetar a iniciativa da Câmara.

BOLEIROS MILIONÁRIOS







OS JOGADOREOS DE FUTEBOL MAIS BEM PAGOS DO MUNDO


A revista francesa "France Football" acaba de divulgar uma lista atualizada dos jogadores mais bem pagos do mundo. O estudo se refere a tudo o que foi conquistado pelos jogadores durante o ano de 2009, contando salário, prêmios e publicidade.

A diferença principal para a última lista é o primeiro lugar, agora ocupado por Messi, o melhor do mundo pela Fifa no ano passado. O argentino, que ganhou € 33 milhões, desbancou David Beckham, com € 30,4 milhões. O 'novo Maradona', como vem sendo chamado, ganhou no ano passado € 10 milhões em salários do Barcelona, € 4 milhões em prêmios pagos pelo clube por títulos e € 19 milhões por contratos de publicidade.

O terceiro da lista é Cristiano Ronaldo, do Real Madrid, com € 30 milhões. Kaká é o primeiro brasileiro, com € 18,8 milhões. Outro brasileiro do Top 20 é Ronaldinho, do Milan, que aparece em sexto, com € 17,2 milhões. Veja a lista completa (valores anuais, em euros e referentes a 2009):

1. Messi - Barcelona - € 33 milhões

2. Beckham - Milan - € 30,4 milhões

3. Cristiano Ronaldo - Real Madrid - € 30 milhões

4. Kaká - Real Madrid - € 18,8 milhões

5. Henry - Barcelona - € 18 milhões

6. Ronaldinho - Milan - € 17,2 milhões

7. Tevez - Manchester City - € 15,4 milhões

8. Ibrahimovic - Barcelona - € 14,5 milhões

9. Lampard - Chelsea - € 14,2 milhões

10. Eto'o - Inter de Milão - € 13,8 milhões

11. Drogba - Chelsea - € 13 milhões

12. Puyol - Barcelona - € 12,8 milhões

13. Rooney - Manchester United - € 12,6 milhões

14. Ballack - Chelsea - € 12,2 milhões

15. Torres - Liverpool - € 11,7 milhões

16. Gerrard - Liverpool - € 11,5 milhões

17. Terry - Chelsea - € 11,4 milhões

18. Xavi - Barcelona - € 11 milhões

19. Buffon - Juventus - € 10,6 milhões

20. Totti - Roma - € 10,1 milhões

Entre os treinadores, quem mais recebeu foi o português José Mourinho, com total de € 13 milhões. Em segundo lugar ficou o italiano Roberto Mancini, do Manchester City (€ 12 milhões). Luiz Felipe Scolari, atualmente no Bunyodkor, do Uzbequistão, foi o terceiro, com € 9,5 milhões.

IMPÉRIO DE ENCRENCAS: LOVE E IMPERADOR NAS BARRAS DA POLÍCIA


Adriano é intimado para esclarecer moto dada de presente à mãe de traficante

Adriano sabe como ninguém se livrar dos zagueiros adversários. Agora, entretanto, o atacante do Flamengo terá uma tarefa bem mais complicada. Isso porque, nesta terça-feira, o jogador foi intimado a depor para esclarecer a compra de uma moto e presenteada à mãe (Marlene Pereira) de Paulo Rogério de Souza, o Mica, apontado pela polícia como chefe do tráfico de drogas da favela da Chatuba, na Zona Norte do Rio de Janeiro.

Segundo informações do delegado titular da 22ª DP (Penha), Jader Amaral, Adriano deverá comparecer à delegacia na quinta-feira, às 13h. Investigações dão contam que o jogador teria comprado duas motos, ambas em 2008, avaliadas em R$ 35 mil cada.

A polícia quer saber de Adriano o motivo da compra desta moto doada à mãe de Mica e qual a explicação do jogador para presenteá-la. Segundo ainda a polícia, existem sete mandados de prisão contra o traficante Mica.

VAGNER LOVE

Ainda nesta terça-feira, mas pela manhã, Vagner Love, que curiosamente forma a dupla de ataque do Flamengo com Adriano, também virou notícia nas páginas policiais. O jogador compareceu à 15ª DP (Gávea) para atuar como testemunha de um inquérito instaurado para investigar o crime organizado na favela da Rocinha, Zona Sul do Rio.

VAGNER LOVE foi apontado como uma das peças no auxílio à investigação após a divulgação de um vídeo no qual apareceu sendo escoltado por traficantes durante um baile funk no local, dia 27 de fevereiro.

“Respondi a tudo numa boa e não falei nenhuma mentira. Fui lá sim para curtir o baile funk. Agora, com a cabeça mais fria e pensando um pouco melhor, é realmente uma coisa chata. Mas não conheço nenhum traficante dali e não tenho qualquer ligação com qualquer um deles. Homens armados é algo que existe lá dentro (da favela). Isso é uma coisa que eu não posso evitar. Não digo que não vou voltar lá, porque tenho um projeto social lá. Mas é bom evitar”, destacou o atacante

BOMBA DE VERDADE


Anabolizantes atraem jovens em busca do corpo perfeito; muitos usuários desconhecem perigos


TARSO ARAUJO
DA REPORTAGEM LOCAL

"N ão tenho medo de perder o braço, mas de ficar "frango'", diz Jonas*, 22, que usa "bomba" desde os 14 anos.
E "frango", se você não sabe, quer dizer fraco.
A frase do jovem expressa bem o sentimento de quem recorre a essas substâncias em busca de um corpo forte em tempo recorde: ficar em forma é mais importante do que a própria saúde.
Há meses sem malhar, ele nem toma mais os anabolizantes esteroides, hormônios sintéticos que ajudam os músculos a crescer mais rápido.
Injeta nos bíceps um remédio veterinário comprado sem receita em pet shops e apenas aumenta o volume do braço.
"Se aplicar errado, o braço necrosa e tem que amputar", diz, antes de dar uma risada.
William*, 18, é mais cauteloso. Ele está esperando parar de crescer para começar a tomar, já que os anabolizantes podem atrapalhar o crescimento.
"Quero tomar para melhorar meu corpo. É uma questão de autoestima", diz ele. Apesar de afirmar estar satisfeito com seu físico, diz que "querer melhorar nunca vai ser ruim".
Para ele, a vontade de tomar é combinação de pressa por resultado e curiosidade -coisas de gente da sua idade.
"Tenho muitos amigos que tomam. Muitos mesmo. Todos entre 18 e 20 anos."
Jéssica*, 24, começou a malhar porque não gostava das pernas finas -"tinha vergonha de usar short"- e acabou gostando: virou campeã brasileira e sul-americana de levantamento de peso.
Ela diz que resistiu à "tentação", mas que não foi fácil.
"Era louca para tomar "bomba". É a coisa mais normal no meio [do esporte]. Mas eu tive um ótimo treinador, que me falava sobre os efeitos. Vi amigas se transformarem com o tempo, com voz grossa, criando barba, espinhas..."

Pressa e trauma
Para alguns, como Bruno*, 22, a experiência foi traumática. Aos 18, ele queria ficar forte. "Era epidemia aqui onde eu morava. Todo mundo malhava. E eu tinha pressa, né?", conta.
Comprou duas ampolas de anabolizante injetável e aplicou-as em si próprio, uma por semana. "Não deu resultado."
Depois comprou outro, em comprimidos. "Tomei um por dia, por duas semanas." Aí o resultado apareceu. "Fiquei sete dias internado. Um em coma."
O diagnóstico foi uma crise hepática aguda, causada pelo excesso de hormônios no sangue. "Nunca mais eu tomo", diz.
Por causa de casos como esse, o deputado federal Capitão Assumção (PSB-ES) criou um projeto de lei no Congresso Nacional para tratar vendedores clandestinos de anabolizantes (veja ao lado) da mesma maneira que traficantes de drogas.
Mesmo que isso aconteça, a decisão entre saúde e beleza sempre vai ser de quem toma.
"Em pessoas mais jovens, os efeitos colaterais podem ser piores", diz o especialista em fisiologia do exercício Paulo Zogaib, da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).



--------------------------------------------------------------------------------
*Nomes fictícios

SÃO PAULO:Faixa de renda C e D forma nova classe dominante

Em cinco anos, a Grande São Paulo ganhou 1,8 milhão de novos consumidores. Eles hoje integram um grupo que reúne 14,7 milhões de pessoas com renda mensal entre R$ 804 e R$ 4.807: a classe CD, a nova classe dominante. Grande responsável por minimizar os efeitos da crise na economia, esse público agora se apresenta como principal aposta para o crescimento das empresas, em especial das micro e pequenas.

De acordo com estudo do Centro de Políticas Sociais da FGV, o desenvolvimento da economia brasileira, a criação de empregos formais e a transferência de renda (impulsionada principalmente por programas como Bolsa-Família) permitiram que uma boa parcela da população ascendesse na escala social e, finalmente, ganhasse o título de consumidor.


São pessoas que possuem poucos bens, algum dinheiro extra e muita vontade de consumir - afinal, elas acabaram de estrear no mundo das compras. Conforme consultores, a classe CD preza bom atendimento, prazos longos para pagamento e informações claras sobre as condições da compra. Segundo a Associação Brasileira das Relações Empresa-Cliente (Abrarec), encabeçam a lista de desejos da nova classe média casa própria, carro, eletrodomésticos e eletrônicos, em especial os celulares. As informações são do Jornal A Tarde.

Vale é alvo de greve e protestos no Canadá


Paralisação no país entra no 9º mês; empresa atribui suspensão das negociações à má vontade dos grevistas

Amanhã, a maior empresa privada brasileira será alvo da fúria de mais de 4.000 pessoas de várias cidades canadenses reunidas em Sudbury (centro-sul do Canadá). Trata-se de passeata planejada por sindicatos em apoio a 3.200 grevistas em quatro unidades da Vale Inco, subsidiária da Vale.
Sudbury é sede da maior unidade da Vale no país, com 4.200 funcionários, dos quais 3.000 parados. São mais de 70% dos trabalhadores parados.
Esse é mais um capítulo da novela que entra no nono mês e está longe do fim. No roteiro, acusações mútuas de intransigência e referências a xenofobia. A situação evidencia o choque cultural entre a Vale e o time canadense.
O clima entre as partes nunca foi dos melhores desde que a Vale comprou a Inco, por US$ 17 bilhões, em 2006, tornando-se a segunda mineradora do mundo. A relação se agravou com o início da greve, em julho. Piorou na última semana, depois de uma negociação de oito dias, encerrada por impasse nos pontos mais controversos. A Vale quer mudar os planos de pensão, os bônus e os critérios de transferência de funcionários mais antigos, entre outros itens. A mudança valeria para as novas contratações.
Nos bônus, a Vale quer um teto para o valor pago, de 20% do salário anual, e atrelá-lo também à lucratividade, e não só ao preço do níquel, como é hoje. O sistema atual deu aos funcionários bônus de 2,6% do salário anual, em 1999, e de 56% em 2007 (após o recorde na cotação do níquel, em 2006).
Cerca de 90% dos trabalhadores rechaçaram as propostas e exigiram a recontratação de dez funcionários demitidos durante a greve, acusados de ameaçar os que trabalham.
A Vale propõe regras de transição e algumas compensações financeiras. Na quinta-feira, o presidente da Vale Inco, o brasileiro Tito Martins, divulgou comunicado dizendo que as propostas visam "a sustentabilidade das operações".
Em 2007, primeiro ano da Vale na Inco, a mineradora teve receita líquida de R$ 64 bilhões, 2,7 vezes superior à de sua subsidiária canadense. Já o lucro da Vale no mundo foi de R$ 13 bilhões, ou 3,7 vezes maior que o da Vale Inco -o que mostra que o braço canadense perdia em lucratividade.
"Isso não tem a ver com sustentabilidade. A Vale quer lucrar em cima de seus trabalhadores", diz Wayne Fraise, diretor do USW (sigla em inglês para União dos Siderúrgicos).
A greve, que reduziu a produção dos principais produtos (níquel e cobre) em 90% em média, deixou sua marca nos resultados da Vale. As perdas da Inco no ano, que ainda teve o efeito da crise, reduziram em quase R$ 1 bilhão o lucro global da Vale, de R$ 10,3 bilhões
Nas primeiras entrevistas, Fraise e os colegas se referiam à Vale como "empresa de terceiro mundo". A nota de Martins acusa os sindicalizados de xenofobia e preconceito.
À Folha Fraise disse que a briga "não tem a ver com os brasileiros, mas com a Vale".
Após oito dias de conversa, no início do mês, as negociações travaram. Os trabalhadores propuseram, então, a criação de uma comissão com três árbitros para avaliar a questão, mas a Vale Inco não aceitou.

Lúcia Veríssimo diz que "deixou de ser interessante"


Lúcia, 51

A atriz Lúcia Veríssimo, "mais gorda, relaxada", está em SP para a temporada da peça "Usufruto" e diz que, agora, mais velha, entende que "você é porra nenhuma. E é tudo"

Há cinco anos longe da televisão e dos palcos, Lúcia Veríssimo, 51, está de mudança do Rio para São Paulo, onde volta à cena com "Usufruto", de sua autoria. Na semana passada, antes de subir ao palco do teatro Faap, ela recebeu a coluna em seu camarim.


FOLHA - É difícil ficar longe da TV?
LÚCIA VERÍSSIMO - Sinto saudades até hoje. Até 1998, eu fazia uma novela atrás da outra. Entrei na TV Globo com 19 anos. Já tinha passado mais tempo na Globo do que na minha casa. Eu defendia a Globo como se fosse uma extensão de mim mesma.

FOLHA - E por que parou?
LÚCIA - Acho que deixei de ser interessante, passei a não ter mais convites. Eu falava muito de como era bom antigamente, reclamava. As pessoas me falam: "Você tem que voltar!", como se eu fosse a culpada. Não fui eu que decidi. Foi a nova TV.

FOLHA - E o que é a nova TV?
LÚCIA - Se um dia você descobrir, me conte. Sou de um tempo em que as novelas tinham um diretor e 24 capítulos de frente [gravados antecipadamente]. Hoje, são seis diretores e um capítulo de frente. Aí me explicaram: antigamente, eram 30 cenas. E hoje são 115. Mas 115 cenas de quê mesmo? A gente tinha 32 páginas de texto, de discussão, de cenas incríveis, você ficava extasiada. Cenas que duravam um bloco inteiro, como a de Joana Fomm e Sonia Braga na pancadaria em "Dancin" Days" [novela de 1978]. Hoje, uma briga daquela se faz em quatro frases.

FOLHA - Pensa em voltar?
LÚCIA - Penso, é claro. Mas agora, não. Não toparia fazer um papel de escada só para estar na televisão. Sempre fui uma atriz que fez carreira em cima da TV -apesar de ter começado no teatro, como todo mundo. Quer dizer, como deveria ser.

FOLHA - Aos 51 anos, ainda se preocupa muito com a forma física?
LÚCIA - Não tenho mais essa preocupação. Tenho duas "Playboys" [ensaios fotográficos em que aparece nua], já fui considerada a mulher mais linda do Brasil e foda-se se eu não for mais. Tô mais gorda, relaxei, já fiquei doente.

FOLHA - Mas posaria nua de novo.
LÚCIA - Claro que sim. Estou mais despencada, vai ser horrível, mas não tenho problema. Vou à praia de nudismo, meu peito ainda está inteiraço. Ele cresceu porque eu engordei, mas é exatamente como era: duro, lindo, é a coisa linda do meu corpo. Não tenho aquela bunda que eu tinha quando posei para a "Playboy" [nos anos 80], aquela perna, não tenho aquele braço. Mas tenho muitas outras coisas. E não tenho mais certeza de absolutamente nada. Isso a velhice me deu. Passei a entender que você é porra nenhuma. E é tudo.


FOLHA - Quando você começou a escrever?
LÚCIA - Em 1997, comecei a fazer um livro [autobiográfico]. Aí começou a me ligar tanta gente preocupada [risos], que eu falei: "Pode deixar que só vou dar autorização para publicar quando eu morrer". "Usufruto" eu escrevi em uma semana, enquanto esperava as trocas de luz nas gravações da novela "América", em 2005.

FOLHA - A personagem da peça já se relacionou com homem e mulher junto. E você?
LÚCIA - Tive casamentos abertos, outros não tão abertos e outros totalmente fechados.

FOLHA - Você foi casada com a Gal Costa, né?
LÚCIA - [Risos] Pega o histórico. Os jornais podem te dizer tudo sobre a minha vida. Não escondo nada de ninguém, mas não falo sobre isso. Não existe homossexualismo, heterossexualismo, bissexualismo, tudo isso é nomenclatura inventada por Freud. Pra mim, existe uma pessoa sexual. Só isso. Você tem que fazer o que está a fim, na hora em que quiser.

FOLHA - Sua personagem na peça acredita que só existe um grande amor na vida. E você?
LÚCIA - Piamente. A gente tem um grande amor só uma vez e o deixa guardado como um fantasma. Os grandes amores não são para serem vividos, são só para sabermos que existem. Já acho difícil você encontrar um. Se conseguir mais, aí é porque você foi muito f., sofreu muito em outra vida e agora ganhou algo em dose dupla.

FOLHA - E a relação fraternal?
LÚCIA - Acho que esse processo é lá pros 80, 90 anos. Acho difícil que eu abandone completamente o meu corpo. Na minha história de vida, o sexo é uma ligação com o cosmo. O momento de prazer transcende qualquer outro experimento que você tenha aqui nesse planeta. Mas sei que muita gente abdica disso. Hoje em dia, me parece que essa geração mais nova faz muito menos sexo do que a minha geração fazia. A nova geração consome uma droga horrorosa, não faz sexo e tem um discurso ridículo.

FOLHA - É por isso que você os chama de caretas?
LÚCIA - Hoje, uma menina vai de vestido curto na faculdade e quase apanha. Eu comecei a fazer topless em 1970. Hoje em dia, você é linchado. Eu achava que ia chegar aos 51 anos com tudo diferente, todo mundo em praia de nudismo.

FOLHA - E você?
LÚCIA - Só tomo banho nua. No barco, faço topless. Na praia da Reserva, também. Uma vez, um policial quis me prender. Falei: "Tenho duas "Playboys", é atentado ao pudor eu ficar com o peito de fora?" A gente namorava sem saber o nome. Você entrava numa festa, achava aquilo interessante e ia para o banheiro ou pro quarto que estivesse vazio.

FOLHA - E você acabou se casando quantas vezes?
LÚCIA - De morar junto? Umas nove... Eu não caso mais com essa facilidade porque hoje eu estou mais chata, cheia de manias. Isso não quer dizer que eu não namore, que eu não durma todo dia junto. Mas, quando vão pra minha casa, mantenho sempre um quarto e um banheiro separado. No meu banheiro, [a pessoa] não entra em hipótese alguma.

FOLHA - Experimentou todas as drogas?
LÚCIA - Experimentei. Mas gosto muito de ter a minha consciência. Gosto de estar alerta.

FOLHA - Você teve um problema de saúde há alguns anos.
LÚCIA - Tive um câncer e precisei tirar o útero, apesar de ser superpreocupada com a saúde.

FOLHA - Por que agradece ao governador Aécio Neves (MG) na peça?
LÚCIA - Somos amigos, fui muito próxima do Tancredo [Neves] nas Diretas-Já. O Aécio abriu as portas da Cemig, pra mim [a empresa patrocina a peça da atriz]. Eu sou fundamentalmente uma tucana. Na verdade, torço para o anarquismo, mas é impossível, com a ignorância, você ter anarquismo. Então prefiro esse socialismo de centro que o PSDB defende.

FOLHA - Você vai se mudar do Rio pra São Paulo. Por quê?
LÚCIA - Estou muito triste com o que acontece com o Rio e vejo pouca chance de a situação melhorar. São Paulo é incrível. É a única cidade da América do Sul que está em 2010. O Rio parou no tempo e no espaço, está em 1950, 1960. O Nordeste tá em 1930. O Sul, em 1940. Montevidéu tá onde, meu Deus do céu? E Buenos Aires?

FOLHA - Qual a solução para o Rio?
LÚCIA - Tinha que voltar o jogo, reabrir o Cassino da Urca. A violência melhoraria. Você empregaria todo mundo. E os bicheiros se encarregariam de cuidar da segurança.

"A gente tem um grande amor só uma vez e o deixa guardado como um fantasma. Os grandes amores não são para serem vividos, são só para sabermos que existem"
LÚCIA VERÍSSIMO
atriz